Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria gtd e produtividade

13/04/2009 - 05:00

Como iniciar uma carreira de freelancer?

Compartilhe: Twitter

Você se lembra de , ex-? Em janeiro, ela abandonou seu posto de editora do conhecido blog sobre tecnologia que ela mesma fundou. Cansada de ter que fazer chover cliques em seus posts, resolveu voltar a desenvolver aplicativos e escrever por prazer. Assim, fundou um novo blog chamado e criou um modelo de negócios para seu trabalho.

Esse é um assunto complicado. Muitos sonham em ser autônomos. Mas falta coragem, disposição e, principalmente, disciplina para tocar um negócio. Assim que nos livramos do bafo do chefe no cangote, ficamos desorientados, patinando sem sair do lugar.

Isso acontece quando não sabemos exatamente no que gostamos de trabalhar. Temos listas de situações que detestamos enfrentar, mas não sabemos criar. Muito menos planejar mudanças. Gina passou por esse tipo de autoquestionamento. E, em artigo para o blog , contou como saiu do estágio da dúvida:

Primeiro, fiz uma lista de pessoas que admiro. Vivas ou mortas, históricas ou fictícias, no meu ramo de atividade ou fora dele.

Segundo, listei quais foram os projetos na minha vida e carreira nos quais mais gostei de trabalhar.

E depois, me perguntei: o que quero conseguir sendo freelancer? Quero fazer coisas que tenham significado para mim, aprender novas habilidades e fazer algum dinheiro”.

Foi então que Gina (foto ao lado) chegou ao gráfico do começo do artigo. 30% de importância para aprendizado, 30% para fazer o que gosta, 30% para ganhar dinheiro. Os 10% restantes são para gerenciar burocracias: emitir notas, pagar contas etc.

As porcentagens do gráfico devem variar de acordo com as circunstâncias. Mas a mensagem fundamental é que não podemos nos apoiar em sonhos e reclamações. Ambos são os maiores obstáculos para a mudança de carreira. Dopam a inteligência com pequenas doses de serotonina, que causam alívio imediato das frustrações, mas apenas solidificam o medo de mudar.

Não sei de você, mas eu só funciono quando começo a enfrentar questões concretas: “quanto dinheiro preciso por mês?”, “preciso mesmo morar numa grande cidade?”, “de onde vêm minhas despesas?”, “que tipo de trabalhos / pessoas admiro, nos quais gostaria de me inspirar?”. E por aí vai.

PS- Aliás, o próprio site traz ótimas dicas para se tornar seu próprio patrão. Se vocês quiserem, eu mesmo posso começar uma seção no blog dividindo minhas experiências sobre o assunto.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade, mão na massa Tags:
18/03/2009 - 10:55

Você quer mesmo resolver o problema?

Compartilhe: Twitter

Algumas pessoas me escrevem dizendo que não conseguem ser produtivas. Faço o possível para consolá-las, oferecendo todo tipo de placebos. Técnicas, dicas etc. Mas a verdade é que a coisa mais útil que posso fazer é perguntar, honestamente:

Você quer mesmo ser produtivo?

Muitos podem responder automaticamente que sim. Mas pense melhor. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags:
13/03/2009 - 16:12

Nem sempre é produtivo ser produtivo

Compartilhe: Twitter

Dois blogueiros nos EUA começaram uma campanha reveladora: (algo como o culto ao concluído). e lançaram um manifesto on-line e têm até uma para debater o assunto. A seguir, transcrevo alguns dos princípios que achei mais questionáveis. Entre parênteses, meus comentários. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
03/03/2009 - 22:33

Vídeo: como tirar o máximo do Gmail

Compartilhe: Twitter

Dicas de como lidar melhor com sua caixa postal usando filtros, caixas postais múltiplas e labels.




Autor: - Categoria(s): e-mail, gtd e produtividade, tecnologia, vídeo Tags: , , , , ,
29/01/2009 - 05:00

Procrastinação 5: quando até a diversão vira estresse

Compartilhe: Twitter

um conceito vazio que virou um instrumento para ganhar dinheiro</em>A maior ferramenta de combate à procrastinação é justamente algo muito trivial: o prazo. Para muitos de nós, é tão comum enquadrarmos tarefas dentro de unidades de tempo que, sem um deadline para temer, simplesmente não conseguimos trabalhar. Blog diário, revista mensal, salário semanal, precisamos de uma referência, de um limite.

Ainda assim, a procrastinação surge como uma espécie de luta entre o tempo psicológico estabelecido pelos nossos desejos e o social, marcado pelo relógio. Muitos de nós evitamos ao máximo uma tarefa porque a consideramos chata, sem sentido ou no mínimo desconectada dos nossos interesses pessoais.

Assim, deixamos tudo para amanhã, nos entretendo com algo que cause alívio, mesmo que temporário. Ou no mínimo que tenha um efeito “sedativo”, que ajude a esquecer dos problemas. E, é claro, onde há sedativos, há gente querendo ganhar dinheiro.


DataPortability – Connect, Control, Share, Remix from Smashcut on Vimeo.

O paraíso da procrastinação

Hoje convivemos com aquela que provavelmente é a maior ferramenta de procrastinação da história da humanidade: a internet. Ela nos dá acesso imediato à já tradicionalmente poderosa indústria do entretenimento. E o melhor: a custo praticamente zero.

Mais ainda: a cada segundo somos chamados a compartilhar nossas experiências mais íntimas. O que pode ser muito sedutor. No meio do trabalho – muitas vezes considerado impessoal e limitador – , à distância de um clique, temos todo um universo no qual podemos expandir nossos egos, criando personagens, dando opiniões, recebendo feedbacks e formando comunidades.

É nesse ambiente que surgem os instant messengers, redes sociais (como o Orkut), YouTube, blogs, Twitter e muitas outras ferramentas. Tanto que hoje um dos itens mais valorizados na hora de vender publicidade on-line é o chamado time spent. Ou seja: quanto tempo as pessoas gastam num site. E, na web, não é fácil captar e manter a atenção. Segundo pesquisas realizadas nos EUA, o tempo médio que alguém leva para decidir ficar ou não num site é de apenas 4 segundos.

A quantidade de informação já é tão grande, são tantas contas, logins, senhas e endereços de acesso que hoje há quem procrastine até para acessar a internet. Por isso surgem projetos como o , do Google, , e os serviços de lifestream, como o , que tentam juntar todos esses dados espalhados pela rede. A idéia é simplificar, concentrar todas as suas atividades on-line em poucas ferramentas, que possam ser facilmente acessadas num só lugar. Diversão sem estresse.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
27/01/2009 - 05:00

Quantas horas precisamos dormir?

Compartilhe: Twitter

A revista Time publicou uma interessante entrevista com Daniel Kriple, co-diretor de pesquisa da Scripps Clinic Sleep Center, nos EUA. Segundo estudos que ele realizou por volta de 2002, dormir muito também pode causar mal à saúde. E você vai se espantar que esse “muito” é bem menos do que estamos acostumados a ouvir.

Estudos mostram que pessoas que dormem de 6 e meia a 7 horas e meia por noite vivem mais tempo. E pessoas que dormem 8 horas ou mais – ou menos que 6 e meia, não vivem tanto. Há tanto risco em dormir muito quanto em dormir pouco. A grande surpresa é que esse muito começa em 8 horas. Dormir 8 e meia pode ser um tanto pior do que dormir 5.

Kriple diz que, na sua pesquisa, era mais comum encontrar pessoas depressivas e obesas entre os grupos que dormiam mais de 8 horas. Assim, para ele, o tempo ideal de sono seria não mais do que 7.

Dormindo no ponto

Esse é um assunto bem controverso. Quase todos aceitamos que 8 horas é o período de sono adequado. Mas meus mais de 4 anos de convivência diária com mestres budistas me diz outra coisa. A maioria dos que conheço não dorme mais de 5 horas por noite. Nossa principal professora, há mais de 20 anos dorme por volta de 4. Eu também, que sou um mero estudante preguiçoso, não costumo dormir mais que 5.

Fico cansado? Sim. Mas geralmente só na quinta-feira. Não me pergunte porquê. Já fiz várias experiências e notei que o cansaço não parece ter nada a ver com falta de sono. Acredito que ele obedeça a certos ciclos emocionais / corporais. E a alguns truques das minhas características psicológicas.

Por exemplo: há certos períodos do mês nos quais fico mais indisposto e acho que tudo é mais difícil. É como se fosse uma TPM. Um simples pedido de trabalho pode interpretado quase como um insulto. Depois de um tempo, as coisas voltam ao normal.

O mais curioso é que me sinto muito mais cansado quando acho que deveria ter dormido mais. Quando me auto-sugestiono, tagarelando para mim mesmo: “essa noite só dormi 4 horas. Amanhã estarei podre”. Funciona, acordo mal mesmo. Cérebros.

Autor: - Categoria(s): cérebro, comportamento, gtd e produtividade Tags: ,
22/01/2009 - 13:00

Procrastinação 4: escritório (e jaula) na praia

Compartilhe: Twitter

Fora do mundo das letras e das técnicas de controle, como firewalls e cartões de ponto, vários tipos de saídas “alternativas” vêm sendo testadas para combater a procrastinação. E aqui novamente podemos traçar uma linha com dois extremos.

De um lado os escritórios maternais como os do Google, nos quais há videogames, massagem, sala de jogos e um dia da semana livre para desenvolver projetos pessoais – tudo para que você fique feliz e produtivo dentro do espaço de trabalho. De outro, as empresas paternais, que deixam seus funcionários trabalharem em casa ou em qualquer outro lugar, com horários flexíveis. Nesse caso, a filosofia é: seja responsável por si mesmo, saia de casa, use o seu tempo como preferir. Mas não gaste os recursos da empresa para procrastinar.
Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
22/01/2009 - 05:00

Procrastinação 3: contra os workaholics

Compartilhe: Twitter

um dos maiores procrastinadores da literatura.</em>
Douglas Adams, do Guia do Michileiro das Galáxias: um dos maiores procrastinadores da literatura.

Desde os anos 80, uma outra indústria explora o nicho da procrastinação: a da auto-ajuda. Um dos livros mais importantes nessa área chama-se (O Hábito do Agora, que as editoras brasileiras estão procrastinando para lançar em português). Nele, o pesquisador Neil Fiore propõe uma visão mais “positiva” para o problema.
Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
15/01/2009 - 05:00

Procrastinação 2: Preguiça ou hiperatividade?

Compartilhe: Twitter

produtivo ou procrastinador? Ou os dois?Segundo estudos desenvolvidos por psicólogos e neurologistas desde os anos 80, a procrastinação é bem diferente da preguiça. Imagine uma linha com dois extremos de produtividade. De um lado o acomodado personagem de Mário de Andrade, Macunaíma, e de outro o hiperativo Leonardo Da Vinci. Seria bem mais fácil encontrar procrastinadores no lado do renascentista. Aliás, ele próprio tinha um considerável portfólio de projetos deixados para depois e é reconhecido como um dos grandes enroladores da história.

Parece estranho que tenha ele tenha criado tantas coisas, em diversas áreas do conhecimento? Nem tanto. Pesquisadores indicam que muitos procrastinadores podem ser na verdade viciados na sensação de “prazo estourando”. Deixam tudo para a última hora porque gostam da adrenalina da urgência, da necessidade de terminar uma tarefa imediatamente, para não sofrer as conseqüências. Como Rocky Balboa, só funcionam no último round.
Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
09/01/2009 - 05:00

Procrastinação 1: Hoje só amanhã

Compartilhe: Twitter

A partir de hoje você vai ler uma série de posts sobre procrastinação. A idéia é entender como ela se tornou ao mesmo tempo um problema de saúde pública e um negócio que movimenta milhões de dólares.

O que pode haver em comum entre Marco Antônio enchendo a cara no Império Romano, dois monges budistas tagarelando e um analista de sistemas fuçando no YouTube durante o expediente? Todos estão enrolando, em vez de fazer o que deve ser feito. Afinal, se dizem que a prostituição é a profissão mais antiga da humanidade, a procrastinação é, provavelmente, uma das técnicas mais ancestrais de evitar o trabalho.

A palavra “procrastinação” vem do latim procrastinare, que é a união do prefixo pro (encaminhar) e castinus (amanhã). Ou seja: significa adiar. O Oxford Dictionary registra que ela teria sido publicada em inglês pela primeira vez por volta de 1548. O Brasil mal havia nascido e o termo já estava disseminado pelo mundo. Imagine a prática.
Leia mais »

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: , ,
19/12/2008 - 12:07

Manipulando a atenção do chefe

Compartilhe: Twitter

Encurtando a conversa, estou me tornando um daqueles chefes malucos que aprovam coisas e depois ficam putos quando os funcionários as executam. Isso continua acontecendo. E deve deixar as pessoas doidas. Em minha defesa, posso dizer que geralmente as coisas me são explicadas de modo geral, em termos vagos que soam bem. E eu digo: “soam bem!” Então passo a vê-las de mais perto. E ficam horríveis. Dessa vez esqueço o que disse antes. Apenas pense que eu tenho amnésia ou algo assim. Não consigo formar novas memórias.

, que acabou de inaugurar (um questionável) design para o tradicional .

Já assisti a esse fenômeno descrito na citação ocorrer inúmeras vezes. Chamo a prática de tentativa de manipulação da falta de atenção do chefe. Imagine quantas leis são aprovadas dessa maneira.

Modo de usar: o funcionário acha que vai conseguir uma aprovação rápida e indolor de algum projeto se explicá-lo vagamente (ou hiperdetalhadamente) para o chefe, que está sem tempo, sobrecarregado, ou que conhece pouco o assunto. Para se livrar do empregado mala e voltar às suas prioridades, o chefe também responde de maneira genérica, mas com algum entusiasmo simpático. Ou seja: teatrinho básico.

O funcionário sai da sala achando que deu o golpe. Pura ilusão. Provoca apenas retrabalhos posteriores. Cedo ou tarde o big boss acorda e milagrosamente esquece tudo o que havia dito.

Moral da história: melhor um não preciso do que um sim vago. Desagrada no começo, mas não atrapalha o fim de semana.

Autor: - Categoria(s): comportamento, gtd e produtividade Tags: , ,
16/12/2008 - 07:27

Em novo livro, David Allen defende a flexibilidade

Compartilhe: Twitter

David Allen Making All Work

Ser controlado demais significa estar fora de controle. Se as regras que você impõe aos seus filhos são muito restritas, eles se rebelam. Um treinador de boxe ou karate geralmente ensina o lutador a fazer o oponente temer perder o controle. Esse medo causa tensão e reações exageradas. Se suas políticas são muito draconianas, você acaba por sufocar a criatividade, flexibilidade e momentum no seu ambiente. (…)

A chave aqui é manter a capacidade de se desenganchar das formas ou estruturas que guiam seus atos. Ou mudá-las, uma vez que já atingiram sua finalidade. Saber quando mudar de ponto de vista e quando sacrificar um sistema que começou a limitar sua expansão e expressão é um sinal de que você se tornou um mestre.

Trechos do novo livro de , , ainda não lançado no Brasil. O inventor do sistema de produtividade pessoal Get Things Done (conhecido como GTD), publicou alguns capítulos no , que podem ser lidos gratuitamente.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade, organização pessoal Tags: , , ,
04/12/2008 - 08:54

TV Lifehacker

Compartilhe: Twitter

Tim Ferriss, o empreendedor nômade maluco que escreveu o livro , acaba de lançar um programa de TV pelo History Channel. O norte-americano – que é campeão mundial de tango (!), lutador de kickbox, ator de séries chinesas, consultor de empresas e professor – se propõe a aprender em apenas alguns dias artes ou habilidades que levariam anos para serem assimiladas. Assim como ele fez quando dominou japonês e várias outras línguas em pouquíssimos meses. Periga ser bastante divertido de assistir. Adoro ver gente que, de tão esperta, esbarra na picaretice (ou vice-versa).

Via .

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags: ,
02/12/2008 - 16:58

Falhas de comunicação

Compartilhe: Twitter

Continuo a dividir minhas experiências sobre os últimos dias de preparação para a inauguração da Terra Pura de Padmasambava. As coisas ficam cada vez mais agitadas. E tudo muda o tempo todo – horários, disponibilidade da equipe, condições climáticas, entre outras coisas.

Em ambientes em ebulição como esse, fica ainda mais importante manter uma comunicação clara e aberta. Isso porque muitas vezes trabalhamos por motivos muito mais complexos do que ganhar dinheiro. Buscamos aceitação, reconhecimento, a adrenalina e o sentimento de estar (ou ser) “ocupado”, além da realização de desejos que muitas vezes nem sabemos claramente quais são. É muito fácil se melindrar.

Falar sem saber

Como há muita informação e tensão circulando, tendemos a fofocar mais. Seja reclamando, seja criticando os outros por meio do humor. Geralmente, baseados em visões parciais e desinformadas.

Assim, qualquer palavra ou tom de voz pode ser interpretado erroneamente, gerando estresse e irritação. Esses sentimentos precisam ser esclarecidos preferencialmente na hora, antes que atinja a equipe toda, em gradações e coloridos diferentes, causando um efeito dominó.

É muito importante criar um sentimento de time, preparado para lidar com falhas de comunicação. Gente que saiba tolerar quando formos rudes. Mas, principalmente, habituada a cortar o hábito da fofoca e o de divulgar informações incertas.

Uma diversão pseudo-inocente pode acabar com um projeto. É preciso manter atenção plena, tentando imaginar – sem paranóia, claro – qual será o impacto da sua fala. Ou da sua omissão. Ou da preguiça em explicar uma tarefa para todos os envolvidos.

Falhas de comunicação agem como vírus. E são divertidas. Há quem adore se agendar baseado em rumores – vide a imprensa de tecnologia. Mas toda equipe precisa ter alguém que pare e diga: estamos falando demais.

Autor: - Categoria(s): comportamento, gtd e produtividade, organização pessoal Tags: ,
28/11/2008 - 10:59

Com o cabelo em chamas

Compartilhe: Twitter

Hair on fire

Aqui no Templo, estamos em plena reta final das construções. A inauguração é no dia 5/12, mas ainda há muito a fazer. Sinto-me num desses programas do estilo “Minha Casa, Sua Casa”. Num único dia, minhas atividades vão do reino digital ao mineral (carregar pedras) e vegetal (descarregar um caminhão de grama).

Nos EUA, há uma expressão muito popular para esses casos: “trabalhar como se seu cabelo estivesse pegando fogo”. A ideia é que a urgência, o perigo – físico ou psicológico – produzem foco, concentração. Eliminam todos os tipos de dispersões de energia. E também as procrastinações ativas, como o preciosismo, querer “mostrar serviço” aos colegas ou o tagarelismo mental.

Adrenalina

Muitos de nós só conseguimos trabalhar em situações limite. Sem obstáculos, não agimos. Pelo contrário: a sensação de que há tempo e recursos é que produz estagnação. Incentiva inúmeras enrolações cotidianas que, vistas de longe, parecem trabalho duro.

Mas, nos momentos de urgência, também surge outra grande vampira de energia: a sensação de heroísmo, de que estamos fazendo demais, de que somos fundamentais, indispensáveis. Isso às vezes criar muito estresse e pode até nos impedir de descansar ou de dormir à noite. Ficamos constantemente alertas e preocupados.

Compromisso e aparência

Em paralelo, também surge a vontade de julgar o trabalho alheio: o outro não faz o suficiente. O outro não se compromete. O problema é que, de modo geral, esse julgamento está baseado não no nosso trabalho real (nem no dele). Pelo contrário, é fruto da imagem heróica que fazemos de nós mesmos e da trágica que fazemos da tarefa a ser concluída.

Se entramos nesse tipo de exercício mental, nós é que perdemos tempo e eficácia no trabalho.

Os momentos “cabelo em chamas” são estimulantes e nos deixam muito precisos. Mas eles criam vários subprodutos perigosos. Assim, não devem ser incentivados como se fossem uma espécie de salvação automática para equipes improdutivas.

O que precisamos, afinal, é do foco, da concentração, da capacidade de eliminar as frescuras, inutilidades e zonas de conforto para que algo seja concluído.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags:
21/11/2008 - 12:42

Como dar conta dos seus feeds?

Compartilhe: Twitter


Canal de Eduardo Fernandes no Vimeo.

Você sofre da síndrome de culpa do RSS? O fenômeno acontece quando cadastramos mais feeds do que podemos ler e desenvolvemos uma contínua sensação de que perdemos algo. Em vez de encararmos o RSS como uma tecnologia criada para facilitar nossa relação com grandes quantidades de informação, passamos a usá-la como mais uma fonte de estresse. O vídeo mostra um jeito de resolver isso: contextualizar seus feeds. Confira.


Citados no programa

– cliente RSS de desktop para Windows.
– cliente RSS de desktop para Macintosh.
– cliente RSS on-line.
fala sobre organizar feeds de RSS.

Autor: - Categoria(s): ferramentas, gtd e produtividade, organização pessoal, tecnologia, vídeo Tags: , , ,
19/11/2008 - 19:54

Teste Magaiver: Como escrever e-mails eficientes

Compartilhe: Twitter

Muito se fala sobre como gerenciar os e-mails que recebemos. Mas boa parte da confusão das caixas postais é consequência das mensagens que enviamos. Quando não temos cuidado e paciência para mandá-las, precisamos de muito mais esforço para respondê-las. O teste abaixo foi criado para ajudar a entender como funciona esse processo. Basta responder as questões com sim (que vale 10 pontos) ou não (que vale 0).

1. Você é claro e direto no campo assunto?
2. Você trata de um só assunto por e-mail?
3. Você escreve de um jeito que ajuda o interlocutor a responder clara e diretamente?
4. Suas mensagens têm menos de 400 caracteres?
5. Você usa parágrafos e pontuação?
6. Suas assinaturas são úteis?
7. Você usa telefone para conversas longas e polêmicas?
8. Você se lembra de que um dia pode precisar consultar e-mails antigos?
9. Você prefere usar e-mail em texto plano (em vez de HTML)?
10. Você relê o e-mail antes de enviá-lo?

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): e-mail, gtd e produtividade, organização pessoal Tags: , ,
18/11/2008 - 09:22

Ficha para Pedidos Extemporâneos [Ferramentas]

Compartilhe: Twitter

Ficha para Pedidos ExtemporâneosEm ambientes coletivos de trabalho, é bem comum que colegas deleguem tarefas durante encontros informais nos corredores da empresa. Por exemplo, você acaba de sair do banheiro e, de repente, tem mais um projeto urgente para resolver.

Naquele momento, não há como consultar agendas, nem mesmo entender qual é o real tamanho da tarefa. Então, para não bancar o chato, você acaba por aceitar o pedido com um sorriso amarelo. Ou apenas concorda para se livrar da pessoa e fechar o ziper tranquilamente. Depois de um tempo, esquece da tarefa e acaba metido em problemas.

Pensando nesse tipo de situação, criei a FIPE (Ficha Para Pedidos Extemporâneos). Trata-se de um papel que tenta disciplinar, ou, na pior das hipóteses, inibir, acordos irresponsáveis ou mal feitos. Você pode baixar o arquivo PDF e imprimi-lo numa impressora comum.

Modo de usar

1. Carregue algumas FIPEs sempre nos seus bolsos. Tenha uma caneta por perto também.
2. Quando tiver um pedido para fazer (ou para receber), saque a FIPE e preencha-a.
3. Entregue para a pessoa.

Simples, não?

Pouca gente vai se dar ao trabalho de usar. Mas pelo menos pode gerar algumas piadas que levem a atitudes mais produtivas.

Clique aqui e baixe a FIPE (Ficha Para Pedidos Extemporâneos).

Autor: - Categoria(s): ferramentas, gtd e produtividade, organização pessoal Tags: , ,
16/11/2008 - 09:56

Conceitos dão mais trabalho do que ações [Frase]

Compartilhe: Twitter

Você acha que está metido num trabalho grande demais? Espere. O que você entende por “grande”? E por “trabalho”? E por “demais”? Ao analisar essas palavras minuciosamente, você verá que está preso a conceitos. Pense nisso todos os dias e eles irão se dissolver.

, no Khadro Ling, RS.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade Tags:
14/11/2008 - 16:03

Como eliminar os momentos de hesitação?

Compartilhe: Twitter

Seja rápido
“Surtei”.

Ao investigar pesquisas sobre padrões de procrastinação, uma coisa fica bem clara: o principal problema das pessoas é começar tarefas. Esse é o momento em que se perde mais tempo. Por vezes o meliante tem um sistema, gosta do que faz, elimina boa parte das distrações externas, mas, na hora de começar fica empacado, patinando sem sair do lugar.

Os motivos dessa hesitação inicial variam ao infinito. Mas a maneira de combatê-la é quase sempre parecida: usamos algum tipo de gatilho, uma ação que nos impulsiona a agir imediatamente.

Para muitos, o gatilho é a reclamação do chefe ou algum fator autoritário externo (esposa, filhos, colegas de trabalho). Outros precisam de tecnologia, como despertadores, softwares e gadgets. Também há quem prefira saídas comportamentais: ouvir certo tipo de música, levantar-se rapidamente, dizer alguma frase, entre outras coisas.

De qualquer forma, o gatilho é sempre brusco e repentino. Ele parece cortar de uma só vez o padrão mental cíclico que leva à estagnação. Num momento de hesitação, saídas parciais, progressivas e lentas costumam não funcionar. É preciso ter energia, dizer um sonoro “chega” e passar de fase.

Agressividade

Mas não confunda energia com agressividade. A ruminação mental dos procrastinadores já é bastante violenta por si mesma: “não consigo, não sirvo, sou assim mesmo, estou preso, todo dia é a mesma coisa”.

Por um lado, esse fenômeno tem aspectos de auto tortura. Por outro, serve como um prazer masoquista. A hesitação mantém a mente ocupada em criar uma história, uma novela de si mesmo. Por incrível que pareça, isso parece mais divertido do que enfrentar logo a tarefa.

Criatividade – ação = procrastinação

Esse é o velho prazer da argumentação, da criação de conceitos, de procurar saídas, de imaginar o que pode estar errado, porque sua vida não funciona. Ou seja: a criatividade. O mesmo tipo de prazer que um cientista pode ter ao fazer suas pesquisas. Se você usa essa energia de modo positivo, ela pode ser bastante útil. Sem controle, consome sua vida.

O pensamento cíclico cria uma espécie de bolha em volta de nós. Nos fecha para o mundo, nos impede de agir fora do campo de ação dela. Você precisa furá-la, com energia. Mas também habilidade, porque, provavelmente, ela não vai estourar de uma só vez. O importante é não dar espaço para mais ruminação.

Autor: - Categoria(s): comportamento, gtd e produtividade Tags: ,
Voltar ao topo