Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria criatividade

07/03/2009 - 10:07

Braun T1000 poderia ter sido fabricado pela Apple?

Compartilhe: Twitter

Assistindo ao vídeo acima, pensei em comentar que o design do Braun T1000, rádio produzido no começo dos anos 1960, se parece com o dos atuais produtos da Apple. Mas, o .

O fato é que o rádio me fez lembrar de um equipamento de som um tanto menos sofisticado, quase , que fez parte da minha adolescência. Na real, ele foi responsável pelas minhas primeiras experiências em produção de áudio. .

Na época, sem qualquer conhecimento técnico, descobri que se eu ligasse um cabo P10 / P10 em duas das saídas do aparelho (não me lembro quais), ele conseguiria tocar fitas k7 e discos ao mesmo tempo. Isso me levou a produzir remixes estranhíssimos.

Às vezes, eu tocava a mesma música em fita e disco ao mesmo tempo. Obviamente, havia diferenças mínimas de rotação entre as duas execuções, o que resultava em efeitos de pitch, delay e até flanger. O toca-fitas tinha um botão de pause diferente: uma lingueta preta, que ficava em pé e movia-se para frente e para trás, não era uma tecla pressionável. Assim, eu podia atingir níveis de ninja na operação do pause, controlando a rotação da fita e, portanto, o efeito.

Enfim, aonde eu quero chegar? Acho que nisso:

1. O design de produtos não é uma coisa linear. Muitas vezes é preciso muita nova tecnologia para atingir o nível de certas antiguidades.

2. Nem sempre o valor do aparelho vem da capacidade tecnológica dos seus componentes. E sim da capacidade que ele tem de inspirar – ou permitir – o surgimento da criatividade.

3. Limites tecnológicos e falta de recursos, até certo ponto, podem ser uma vantagem porque nos impulsionam a ser criativos.

4. Em alguns casos, queremos comprar aparelhos novos, de última geração, quando há muita inteligência ali mesmo, nas tralhas da garagem. Vale sempre uma boa passada lá para “recontextualizar” aparelhos.

Autor: - Categoria(s): criatividade, design, ferramentas, fuçando, tecnologia Tags: , ,
04/03/2009 - 10:32

Californiano tenta arranjar 50 empregos em 50 estados. Em menos de um ano

Compartilhe: Twitter

Depois de ler o post sobre , várias pessoas me mandaram e-mails contando as dificuldades que enfrentam na procura por emprego. Algumas histórias me fizeram lembrar da saída maluca criada pelo californiano Daniel Seddiqui, de 26 anos. Depois de ser barrado em 40 entrevistas, o sujeito resolveu tentar outros 50 empregos, um em cada estado dos EUA (ou seja: 50, se você não é fã do ). A ideia rendeu algumas aparições na TV e até mesmo . A aventura do garoto começou em agosto de 2008. Até fevereiro, ele deu conta de quase metade do objetivo: já encarou 26 trabalhos em 23 estados, de barman a coordenador de festas de casamento. Esse virou especialista em entrevistas.

Autor: - Categoria(s): coffee break, criatividade, vídeo Tags: ,
27/02/2009 - 14:06

Faturando com a sua própria estranheza

Compartilhe: Twitter

Talvez alguns de vocês já conheçam o . Trata-se do taxi high tech de José Jailson Pereira, de que , quando era editor do site da Superinteressante.

Fizemos , apresentado pelo jornalista Bruno Garattoni, que mostrou os recursos multimídia do carro e o talento único de Jailson para usar o Orkut, iPod, e-mail e, em especial, o humor para dar personalidade para um negócio tão tradicional quanto o de transportar pessoas.

Vale entender bem o que Jailson fez com seu taxi: criou uma marca.

De lá para cá, ele continuou melhorando o taxi. Acima, você pode ver um vídeo feito pelo próprio Jailson, no qual ele diz ter encontrado a solução para os problemas econômicos da atualidade: um telefone-mouse. (Note que Jailson vai direto à necessidade cotidiana das pessoas. Liga para a própria mãe, em tempo real, sem “maquiagem”).

Muita gente vê só o lado engraçado da situação. Mas vale entender bem o que Jailson fez com seu taxi: criou uma marca. E fazendo o que gosta, brincando com seu interesse por tecnologia e por gastar pouco com ela. Deu a si mesmo espaço mental para experimentar. Não se prendeu nem à preguiça, nem ao convencionalismo.

Divertindo-se consigo mesmo

Jailson se diverte em ser o que é. Está aí uma das maiores dicas para sustentar um negócio. Mas isso não significa olhar apenas para o próprio umbigo. Jailson pensa no bem-estar do seu cliente, em como pode fazer parte da vida e dos gostos da pessoa. Por isso que é relativamente difícil conseguir uma vaga para viajar com ele. Seus clientes são fiéis.

A ideia é deixar seu carisma tomar conta do seu empreendimento.

Ao contrário do que possa parecer, Jailson não é de falar muito. Não tenta convencê-lo de que é um sujeito divertido. Apenas deixa seu carisma tomar conta do seu empreendimento. E, em 5 minutos, você tem certeza de que a experiência de viajar no Jataxi é única. Quantas empresas gastam fortunas em pesquisa para chegar a esse ponto. E ainda soam falsas, forçadas.

Vaidade é preservar-se demais

Pensei em postar sobre o Jataxi hoje porque, sendo realista, o ano começa mesmo na semana que vem. E muita gente está envolvida no pessimismo e na falta de perspectivas do atual cenário econômico. Outros vivem num mundo fechado de ódio a si mesmo e ao seu trabalho. Preservam-se tanto do ridículo que acabam fazendo nada.

De alguma forma, Jailson é uma inspiração para renovar o repertório mental. Mais ou menos como o espalhafatoso : no começo é um tanto estranho, mas você se contagia com a capacidade que ele tem de se divertir com aquilo que é.

O que você faz com sua própria estranheza?

Autor: - Categoria(s): criatividade Tags: , , ,
16/02/2009 - 20:47

Você consegue prestar atenção?

Compartilhe: Twitter


Imagem: revista Wired.

O publicou uma interessante matéria sobre fragmentação da atenção. Segundo a jornalista especializada em ciência, Maggie Jackson, vivemos numa era com cada vez mais distrações competindo entre si, o que nos leva a prestar menos atenção no que lemos, ouvimos e até mesmo nas conversas que temos uns com os outros. Tudo isso estaria nos deixando limitados e menos criativos:

Esse nível de interrupções está relacionado com estresse, frustração e diminuição da criatividade. Isso faz sentido. Quando você está disperso e difuso, você é menos criativo. Quando seu tempo para refletir está sempre esburacado, é difícil resolver problemas, criar relações entre pensamentos e pensar.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): cérebro, criatividade Tags: , ,
07/01/2009 - 12:00

Meio dia: Idéias para você alimentar durante o almoço

Compartilhe: Twitter

Eureka Park

Você acha que conhece estacionamentos bem sinalizados? Veja , em Melbourne, desenvolvido pelo designer . As pinturas são feitas nas paredes e no chão, para dar a sensação de três dimensões. Você se perderia? Leia mais »

Autor: - Categoria(s): criatividade, design, meio dia Tags: , ,
19/12/2008 - 14:42

As ideias mais Magaivers de 2008 segundo o New York Times

Compartilhe: Twitter

Gina, da BMW

Airbag para Terceira Idade? Sistema automático de anestesia? Transformar-se na sua própria tomada? Plástico bolha sem fim? Fórmulas matemáticas para nunca perder o busão? Carro feito de tecido? Sequestros imaginários? . Confira lá.

Autor: - Categoria(s): comportamento, criatividade Tags: , ,
05/11/2008 - 19:31

[Inspiração] Air Guitar

Compartilhe: Twitter

Air Guitar

Campanha da , do Reino Unido.

Autor: - Categoria(s): criatividade, inspiração Tags: , ,
29/10/2008 - 11:49

Programação Jack Bauer: concurso promove programas criados em 48 horas

Compartilhe: Twitter

Imagem promocional do framework de programação Ruby on Rails

Há alguns dias, o programa de gerenciamento de estudos e compromissos acadêmicos TrackClass. Mencionei que foi escrito em Ruby On Rails, um dos jeitos de programar mais populares da web hoje em dia (por trás do Twitter, Basecamp, entre outros). Mas não disse onde havia descoberto o aplicativo. Pois bem, foi no , um concurso no mínimo inusitado.

Trata-se de um desafio entre programadores: imaginar, planejar e implementar um software on-line em apenas 48 horas. Impossível? Nada. O próprio TrackClass foi feito assim. O objetivo do concurso é exatamente mostrar que o RoR é um framework de programação simples, ágil e produtivo.

Jack BauerA seguir, alguns dos programas mais curiosos da disputa:

– Possibilita agendar lembretes, que poderão ser enviados via e-mail, celular (EUA), Twitter ou Instant Messenger (Gtalk e Jabber). Simples, direto, não requer registros.

– Software para gerenciamento de finanças pessoais, com ênfase em controle de dívidas. Por isso o nome, que é uma piada com o título de um clássico da banda AC/DC mais a expressão “saia do vermelho”.

– Aprenda uma língua estrangeira de modo colaborativo. Funciona um pouco como uma rede social de pessoas interessadas em se ajudar mutuamente na assimilação de expressões e pronúncias. Os integrantes publicam mp3, ajudam a definir termos, entre outras coisas. A ideia é ótima, mas o material ainda não é muito farto.

– Encontre uma carona on-line. Você digita um endereço de partida e outro de destino. O aplicativo busca informações sobre os cadastrados que moram naquela área e ofereceram vagas em seus carros. Depois é só entrar em contato e agendar o encontro. Por enquanto, o aplicativo só tem usuários falsos. Mas vale pela curiosidade e por revelar um certo otimismo dos seus criadores.

– Encontre, publique e compartilhe citações on-line. Com direito a tags, frases mais populares, recomendações, integração com o Twitter, entre outros recursos.

– Crie suas apresentações e slideshows, direto de uma interface simples e rápida na web. Quer organizar, agendar e divulgar a conferência ou o evento? Então use o .

Quer mais? Passe no site do .

Autor: - Categoria(s): criatividade, ferramentas, tecnologia Tags: , , , ,
14/10/2008 - 15:19

[Coffee Break] Golfe urbano

Compartilhe: Twitter

Alguma coisa me diz que esse esporte não vai pegar.

Autor: - Categoria(s): coffee break, criatividade Tags: , ,
13/10/2008 - 17:49

Famoso blog sobre gadgets vira conspiração governamental

Compartilhe: Twitter

Boing Boing Gadgets vira InfomerciaProvavelmente você conhece o , um dos blogs mais visitados do mundo. Ele tem um , que acaba de passar por uma revolução. Tornou-se parte de um conglomerado futurista, completamente baseado em modismos tecnológicos caros e inúteis. Estranho? Os editores explicam:

Bem-vindos ao Infomercia, um super conglomerado transformado em governo numa Terra alternativa na qual o consumo tecnológico indiscriminado e parcerias corporativas promíscuas se tornaram a base de sustentação de uma distopia Orwelliana opressiva.

Por distopia Orwelliana, entenda-se um mundo aparentemente paranóico, cheio de repressão, conspirações políticas, governos tirânicos e paternalistas. Algo na linha do livro .

Você já deve ter captado a mensagem. Os editores do Boing Boing Gadjets resolveram usar o humor e posts com um tom de ironia e ficção científica para denunciar algo que nos últimos anos vem tomando proporções assustadoras, o deslumbre tecnológico.

Cada vez mais compramos aparelhos inúteis, caros e às vezes escravizantes, só porque supostamente eles acrescentam estilo ou estão na moda. E isso vale não só para objetos eletrônicos, mas também redes sociais e serviços na web. É uma espécie de novo riquismo tech.

Na brincadeira do Boing Boing Gadgets a coisa parece tomar um tom mais político:

Em Infomercia, o consumismo manipulado pela propaganda é o método pelo qual as massas são entorpecidas e subjulgadas pelo encorajamento que o governo dá para a corrida cega por tecnologias aprimoradas e a acumulação de crapgadgets (algo como “aparelhos-porcaria”).

Engaje-se em InfomerciaConsiderando que os EUA passam por uma das crises econômicas mais sérias das últimas décadas, parece que Infomercia está prestes a sofrer ajustes de curso. De qualquer forma, se você quer aderir à brincadeira, confira o .

Autor: - Categoria(s): criatividade Tags: , , , ,
13/10/2008 - 09:43

Cartazes podem mudar a comunicação da sua empresa

Compartilhe: Twitter

Cartaz na Segunda Guerra MundialColar cartazes ainda é um dos melhores jeitos de espalhar mensagens num ambiente de trabalho. Em muitas empresas, placas informativas são tratadas como lixo. Mal elaboradas, mal posicionadas, tediosas e burocráticas, tornam-se poluição visual. Portanto, deixam de comunicar e criar novos hábitos. Mas há muitos jeitos de usá-las criativamente.

Há algum tempo, desenvolvedores do Google chegaram a colar nas paredes dos banheiros trechos de um código que ninguém conseguia fazer funcionar. Parece absurdo, mas só um geek para entender como funciona a cabeça de outro. Nos momentos em que estamos mais relaxados, sem ter a obrigação de pensar em trabalho, tendemos a encontrar soluções naturalmente e sem esforço para problemas aparentemente insolúveis.

Nesse caso, além da piada, criou-se um certo desafio (quem vai encontrar a resposta?). E, claro, a oportunidade de encontrar funcionários talentosos em outros departamentos da empresa.

Poster de propaganda russaAgora imagine uma guerra. Soldados obviamente vivem em constante tensão. E, nos momentos de folga, tendem a beber e falar demais. O problema é que lidam com informações secretas. Conversas irresponsáveis podem causar muitas mortes.

Para diminuir esse risco, os cartazes tiveram um papel fundamental durante a Segunda Guerra (, você encontra imagens de alguns dos que foram distribuídos na época). Também vale lembrar da importância dos pôsteres na propaganda política da Rússia pré-comunista. Que diferença dos panfletos dos candidatos de hoje em dia.

Cartaz chega onde o e-mail não vai. É uma comunicação direta, contextual. Se você ainda cria os seus como se fossem Diários Oficiais de parede (chatos, oficialescos, texto em letras ilegíveis etc.), é melhor partir logo para os .

Autor: - Categoria(s): criatividade, design Tags: , ,
09/10/2008 - 10:23

[Coffee Break] Guarda-chuva aerodinâmico

Compartilhe: Twitter

Guarda-chuva aerodinâmico

Pense rapidamente em duas coisas que não evoluem há pelo menos 40 trilhões de anos: frigideiras? Guarda-chuvas? Provavelmente nossos tatara-tatara-tatara-tatara avós australopitecus ramidus já sofriam com sombrinhas voando em dias de vento forte. Mas parece que, finalmente, alguém resolveu o problema. é o nome de um modelo de guarda-chuva aerodinâmico, desenvolvido por uma companhia de design alemã. O formato é bastante estranho, mas a propaganda oficial garante que ele resiste, sem inverter, a 112 km/h de vento (versão grande) e 64 km/h (mini). Os preços variam de U$54 a US$60 a unidade. Será que resistem a tempestades econômicas?

Via .

Autor: - Categoria(s): coffee break, criatividade, design Tags: , ,
Voltar ao topo