Publicidade

Publicidade
24/04/2009 - 15:50

Remédios para melhorar o desempenho do cérebro

Compartilhe: Twitter


Cena do seriado Fringe, ficção sobre o que pode acontecer quando a biotecnologia está fora de controle.

O tem um vocabulário maravilhoso. Como saudáveis preocupadas (em inglês, ‘worried well’): aquelas pessoas que estão bem mas vão ao médico assim mesmo para ver se algo pode ser feito para torná-las ainda mais saudáveis. Esse parece ser outro daqueles fenômenos norte-americanos causados por abundância de tempo livre, dinheiro sobrando e consumismo. Veja também o rico empobrecido, o burro educado e o gordo em forma.

comenta um sobre como as drogas “aditivadoras de cérebro” vêm ficando cada vez mais populares. Vendidas sob prescrição médica, elas teriam como finalidade melhorar o desempenho da memória, manter a pessoa acordada por mais tempo, entre outros ditos updates de desempenho mental. Kottke se pergunta se em breve esses procedimentos serão tão aceitos quanto as cirurgias plásticas.

Biofuturo

O primeiro impulso é se indignar. Imagine que tipo de futuro pode surgir quando empresas de biotecnologia disputam consumidores ingênuos (sem conhecimento técnico), que tentam eliminar qualquer possibilidade de frustração ou dor, por menor que seja.

O segundo é tentar ignorar que você também está nesse barco: “Ah, como são ridículos esses hipocondríacos”. Mas, vamos pensar novamente:

1. As cirurgias estéticas não são tão aceitas assim. Mulheres “turbinadas” de um lado são cultuadas e de outro são tidas como ridículas. O assunto sempre acaba parando no famoso campo do cada um cada um. Quer dizer: dependendo da sua religião, poder aquisitivo ou convicção filosófica. E, claro, das leis reguladoras de cada país (sempre burláveis).

2. O futuro infestado por consumidores de saúde já está velho. Há que acha até que .

Ou seja, há uma disputa de poderes bem complexa aqui. De qualquer forma, não é exatamente o surgimento de remédios que faz a diferença, mas a mentalidade por trás deles: a de que precisamos ser indiscutivelmente saudáveis, perfeitos, sem frustrações e dores. E sempre aparece alguém declarando que temos (ou podemos ter) uma doença nova.

O que há de errado comigo?

Essa mentalidade está por trás de MUITA coisa. Por exemplo, livros podem ser considerados como aditivadores de cérebro. “Ah, mas não são químicos, então ok”. Quase. Nossos cérebro produzem reações químicas a todo momento, inclusive durante leituras. E quanta gente morreu por causa de ideias que adquiriu em livros?

Portanto, é estranho dizer que o desejo por “turbinar-se” e que a hipocrondia sejam fenômenos norte-americanos recentes. Isso levaria a quê? A campanhas contra pesquisas biológicas? ? Ou a artigos no estilo “suspeitei desde o princípio” e “não contavam com minha astúcia”?

Não pule fora do barco

Desejo por distração, medo da incerteza, vontade de “melhorar” são emoções muito velhas. Nossos tatara-tatara-googol-avós já sofriam disso / se divertiam com isso. Obviamente, em cada época, esses fenômenos tiveram caras diferentes. E criaram tanto desgraças quanto os chamados avanços culturais da humanidade.

Portanto, não podemos olhar o problema dos neuroaditivadores com preconceito. Eu não usaria essas coisas. Mas também não vou subir no salto e esquecer que os meus jeitos de aditivar e distrair o cérebro (livros, internet, relacionamentos) podem ser tão perigosos quanto os químicos.

De novo, o problema está na mentalidade. Ansiedade. Achar que tudo SEMPRE tem que dar certo. Tentar evitar frustrações a qualquer custo – mesmo as mínimas. Procurar distrações incessantemente. Ser um insatisfeito crônico (“se eu me esforçar / pagar, vou achar algo melhor lá fora. Desta vez vai”). E tantos outros etcéteras.

Autor: - Categoria(s): cérebro Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo