Publicidade

Publicidade

Arquivo de dezembro, 2008

29/12/2008 - 11:45

Em 2009, apenas faça, não se desespere por sucesso

Compartilhe: Twitter

Uma das mais importantes coreógrafas em atividade, , dá a letra.

Autor: - Categoria(s): comportamento, vídeo Tags:
29/12/2008 - 10:00

De onde vêm os vídeos virais e memes?

Compartilhe: Twitter

Há muita gente no mundo batalhando para fazer o melhor e se tornar famosa. Mas, ao longo dos anos, internet vem provando que falhar e ser humilhado publicamente também pode ser um caminho para a tão sonhada popularidade e, pasmem, “respeito social”. Até mesmo na (prazer em assistir a desgraça dos outros), pode haver algum tipo de compaixão ou, ao menos, um acolhimento social via humor. Os chamados virais, ou os memes, são bons exemplos disso. Você deve se lembrar do vídeo de . Tay Zonday passou de motivo de piada para garoto propaganda de uma empresa norte-americana. É um jeito nada ortodoxo de conseguir emprego – e não deve entrar nos cânones dos recursos humanos. Mas, ainda assim, é um fenômeno cultural digno de análise. O site enfrenta essa tarefa, digamos, cientificamente. Em pequenos e bem humorados documentários, mostra possíveis explicações para fenômenos da web, desde até a chatíssima prática do . Quem está desesperado para ficar popular (na blogosfera, no Twitter ou sabe-se lá onde), talvez consiga criar um manual a partir dessas falhas travestidas de sucessos ou vice versa. Vai saber.

Autor: - Categoria(s): comportamento, vídeo Tags: , ,
29/12/2008 - 05:00

[coffee break] Comercial Mac x PC no estilo Linux

Compartilhe: Twitter

Autor: - Categoria(s): coffee break, vídeo Tags: , ,
27/12/2008 - 06:51

Os posts mais acessados de 2008 no Magaiver

Compartilhe: Twitter

Sergio ChapelinAinda que sem a narração de Sérgio Chapelin, segue a retrospectiva do Magaiver em 2008. Daria um ebook, não é? Vou arranjar alguma paciência para fazê-lo.

Comportamento










Produtividade







Lidando com a tecnologia














Trabalhando sem paranóia





Aplicativos




Como fazer









Mercado




Aconteceu em 2008



Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
23/12/2008 - 15:46

Tem caixinha para o blogueiro?

Compartilhe: Twitter

Santa, na Ilha de Caras.
Santa, na Ilha de Caras.

Então é isso. Adeus, 2008. Foi um ano incrível.

As previsões para 2009 não são as melhores. Especialistas afirmam que teremos que apertar um pouco os cintos. Mas para quem se interessa pelos assuntos publicados no Magaiver, isso não é exatamente o maior dos problemas.

Aqui, passamos o ano inteiro tentando descobrir como fazer mais com menos. E, em especial, tentando desarmar certas mentalidades que vampirizam nosso tempo e energia. Em situações de crise, as pessoas precisam ainda mais desse tipo de conteúdo. Farei o possível para oferecer informação de qualidade.

Em janeiro, estarei em retiro fechado. Sem celular, internet ou telefone. Mas já agendei alguns posts para manter nossa conexão. Qualquer coisa, enviem e-mails (que serão respondidos apenas em fevereiro).

Obrigado por me acompanhar neste ano. Felicidades. E que a força esteja com você.

Se quiser dar uma caixinha para este blogueiro, . :)

Autor: - Categoria(s): diretoria Tags:
23/12/2008 - 12:42

Computadores poluem como a aviação?

Compartilhe: Twitter

Gráfico representando as empresas mais e as menos ecologicamente engajadas em 2007.
representando as empresas mais e as menos ecologicamente engajadas em 2007.

No conjunto, a computação e as telecomunicações produzem 2% das emissões (de carbono) globais, de acordo com a (Gesi, na sigla em inglês), um grupo da indústria. Desses, 49% vêm dos PCs e impressoras, 37% das redes e dos dispositivos de telecomunicações e 14% dos centros de processamento. O volume total das emissões é comparável ao da aviação. Mas a indústria de TI, ao contrário da aviação, não provoca a ira dos ativistas ambientais. Talvez isso aconteça porque os computadores são menos visíveis ao poluir, ou porque seu uso não é considerado, como na aviação, frívolo e desnecessário.

Tom Standage, da , traduzido para o especial O Mundo em 2009, da Carta Capital, que está nas bancas e custa R$ 12,90. Mais sobre computadores e sustentabilidade no . Ou no , claro.

Autor: - Categoria(s): sustentabilidade, tecnologia Tags: , ,
23/12/2008 - 08:48

Twitter ou Blog? Ou tudo ao mesmo tempo?

Compartilhe: Twitter

O jornalista da área de tecnologia Robert Scoble
Um dos mais conhecidos jornalistas da área de tecnologia dos EUA, Robert Scoble.

Dois dos mais conhecidos blogueiros da área de tecnologia nos EUA estão debatendo hoje sobre o uso dos blogs e de serviços como Twitter e Friendfeed. , postando menos no blog, perdendo audiência e dinheiro – já que ele não “monetiza” seus textos nos serviços de microblogging.

Ainda que eu seja bem menos problogger do que os dois, também tenho alguma relação com esse processo de mudança de comportamento no uso de mídias. E, perceba: já nem estou falando mais da migração dos jornais e revistas para a web, mas de blogs para microblogs e ambiente mobile. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): tecnologia Tags: , , ,
22/12/2008 - 19:46

[Traduzindo o jargão] Zarro Boogs

Compartilhe: Twitter

Mozilla FoundationZarro Boogs – Todo aplicativo ou projeto tem erros. Você é que ainda não os descobriu. Essa é a filosofia por trás da expressão “zarro boogs”, uma versão irônica de “zero bugs”, com direito a erro de digitação. Ela nasceu no final dos anos 90 nos corredores da , quando seus engenheiros estavam na correria para lançar o substituto do Netscape. Este viria a ser o Mozilla e, mais tarde, o Firefox.

Os programadores usavam um aplicativo detector de erros chamado . E, depois de alguns ciclos de trabalho, o ideal seria que ele encontrasse “zero bugs” (nenhum erro). Mas, com o tempo, os desenvolvedores perceberam que não existia uma situação de acerto total. O Bugzilla é que tinha bugs. Ou melhor, ainda não conhecia todos os erros que, em algum ponto, estavam escondidos. Assim, tanto o Mozilla, quanto o Bugzilla e seus criadores, iam se desenvolvendo e descobrindo suas limitações. O processo não tinha fim.

Por isso, “zarro boogs” brinca com o fato de que, mesmo que não percebamos, sempre há um bug prestes a se manifestar. Aí está uma expressão que vai além das limitações do otimismo e pessimismo. Mundo perfeito? Horror completo? Não. “Zarro boogs”.

Autor: - Categoria(s): de olho no jargão Tags: , , ,
22/12/2008 - 18:02

[coffee break] Mac x PC – versão Transformers

Compartilhe: Twitter
Autor: - Categoria(s): coffee break, vídeo Tags: , , , ,
22/12/2008 - 17:16

Melhore o sistema operacional do seu computador

Compartilhe: Twitter

Mac Pilot
Uma das coisas mais divertidas de se fazer num sistema operacional é mudar os seus comportamentos. A prática é conhecida genericamente como “tweak” e, em tese, exige algum conhecimento das entranhas dos programas. Mas há inúmeros softwares que criam interfaces gráficas que ajudam a mexer nas áreas mais escondidas do sistema, sem fazer lambança. Eles explicam o que pode acontecer se você mexer nas opções e mostram quais comportamentos alternativos estão disponíveis. Coisas como melhorar uso de memória, deixar o boot (processo de ligar o micro) mais rápido e alterar aparência, detalhes dos botões, a forma com as janelas abrem, entre outras coisas.

Os melhores aplicativos dessa área são o , para Windows Vista, e e o , para a distribuição Ubuntu, do Linux. Usando certo bom senso e cuidado, você pode deixar o sistema operacional do seu computador mais amigável e eficiente. Mas vale frisar: leia bem as opções antes de sair clicando.

Autor: - Categoria(s): ferramentas, fuçando, tecnologia Tags: ,
19/12/2008 - 14:47

[Flashback 2008] O carro de tecido da BMW e a inspiração

Compartilhe: Twitter

Eu me interesso tanto por carros quanto pelos sistemas migratórios dos lactobacilos vivos (nunca tive nem um Fusca). Mas, neste caso, é preciso prestar atenção: a BMW abandonou boa parte dos conceitos do que significa fazer um automóvel. Construiu um carro em tecido e fibra de carbono. O nome do estranho e flexível objeto é GINA. Só assistindo o vídeo acima para entender como funciona. Mais informações com quem entende do assunto.

Postei a notícia aqui na esperança de que esse tipo de idéias inovadoras e ousadas cause em vocês o mesmo tipo de efeito que causa em mim: uma vontade de buscar outras saídas para problemas cotidianos, experimentar e criar. Ou seja: a inspiração.

Inspiração sempre ajuda a “limpar nossos canais”, obstruídos pela mania de apenas reclamar e reproduzir idéias pré-fabricadas. Ou pelo hábito do “argumentismo” (quando queremos ter razão a qualquer custo e começamos a gastar nossa retórica), da auto-condenação e do tagarelismo mental. Não sei de vocês, mas, às vezes, tudo o que eu preciso é da velha expressão: “e se…?”

Autor: - Categoria(s): inspiração Tags: , , , ,
19/12/2008 - 14:42

As ideias mais Magaivers de 2008 segundo o New York Times

Compartilhe: Twitter

Gina, da BMW

Airbag para Terceira Idade? Sistema automático de anestesia? Transformar-se na sua própria tomada? Plástico bolha sem fim? Fórmulas matemáticas para nunca perder o busão? Carro feito de tecido? Sequestros imaginários? . Confira lá.

Autor: - Categoria(s): comportamento, criatividade Tags: , ,
19/12/2008 - 12:07

Manipulando a atenção do chefe

Compartilhe: Twitter

Encurtando a conversa, estou me tornando um daqueles chefes malucos que aprovam coisas e depois ficam putos quando os funcionários as executam. Isso continua acontecendo. E deve deixar as pessoas doidas. Em minha defesa, posso dizer que geralmente as coisas me são explicadas de modo geral, em termos vagos que soam bem. E eu digo: “soam bem!” Então passo a vê-las de mais perto. E ficam horríveis. Dessa vez esqueço o que disse antes. Apenas pense que eu tenho amnésia ou algo assim. Não consigo formar novas memórias.

, que acabou de inaugurar (um questionável) design para o tradicional .

Já assisti a esse fenômeno descrito na citação ocorrer inúmeras vezes. Chamo a prática de tentativa de manipulação da falta de atenção do chefe. Imagine quantas leis são aprovadas dessa maneira.

Modo de usar: o funcionário acha que vai conseguir uma aprovação rápida e indolor de algum projeto se explicá-lo vagamente (ou hiperdetalhadamente) para o chefe, que está sem tempo, sobrecarregado, ou que conhece pouco o assunto. Para se livrar do empregado mala e voltar às suas prioridades, o chefe também responde de maneira genérica, mas com algum entusiasmo simpático. Ou seja: teatrinho básico.

O funcionário sai da sala achando que deu o golpe. Pura ilusão. Provoca apenas retrabalhos posteriores. Cedo ou tarde o big boss acorda e milagrosamente esquece tudo o que havia dito.

Moral da história: melhor um não preciso do que um sim vago. Desagrada no começo, mas não atrapalha o fim de semana.

Autor: - Categoria(s): comportamento, gtd e produtividade Tags: , ,
18/12/2008 - 10:50

Dell também vai usar embalagens sustentáveis

Compartilhe: Twitter

Pacotes sustentáveis da Dell

A Dell anunciou que está ampliando suas políticas de sustentabilidade. Assim como a Apple, a empresa resolveu diminuir o tamanho das embalagens de seus produtos — no caso, em até 10%. Designers e engenheiros estudam maneiras de eliminar componentes tóxicos das peças de proteção contra impactos (isopores), além de formas de usar apenas material reciclável nos pacotes. A informação é do , que também fala sobre . Se você é designer gráfico ou tem algum tipo de negócio que precise usar embalagens, vale ficar ligado nesse tipo de tendências de sustentabilidade.

Autor: - Categoria(s): sustentabilidade Tags: ,
18/12/2008 - 10:17

[coffee break] O Que Jesus Compraria?

Compartilhe: Twitter

O natal é uma festa dos adeptos do cristianismo, certo? Errado. Pelo menos segundo o Reverendo Billy e sua Church of Stop Shopping (algo como “Igreja do Parar de Comprar”). Acima você vê o trailer do hilariante feito sobre as atividades do pastor nos EUA. Detalhe: o produtor do filme é Morgan Spurlock, o mesmo de .

Autor: - Categoria(s): coffee break, vídeo Tags: , ,
17/12/2008 - 14:53

[coffee break] O rap do TI

Compartilhe: Twitter

Dica de Eduardo Pinheiro.

Autor: - Categoria(s): coffee break, tecnologia, vídeo Tags: , ,
17/12/2008 - 14:44

Vá às compras. Mas não me chame

Compartilhe: Twitter

Celular de trouxaNesses dias que antecedem aos feriados de fim de ano, muitos de nós, que escrevemos sobre tecnologia, ficamos parecidos com aqueles apresentadores de canais de propaganda (Shop Tour, Polishop etc). Falamos sobre características de produtos como se soubéssemos muito sobre o assunto, desencaixotamos, filmamos, fazemos piadinhas e bancamos os espertos.

O objetivo, claro, é despertar desejo. O suficiente para fazer uma pessoa clicar, ver uma foto e passar para o gadget seguinte. Audiência, cliques. Vendemos conteúdo, certo? Há quem saiba fazer esse tipo de coisa muito bem. Por exemplo, o colunista do New York Times, . Mas desde criança detesto me sentir como um vendedor num balcão. Não que a profissão tenha problemas. Pelo contrário: eu é que não tenho nem vocação, nem paciência para exercê-la.

Cadê suas listas?

Tudo isso para dizer que não consegui me empolgar para fazer nenhuma lista de fim de ano. Nem de compras, nem de melhores produtos.

Primeiro porque não tenho vontade de comprar nada. Nem celular, nem roupas, nem eletrônicos.

Segundo porque só consigo pensar em “melhores” dependendo de contextos, não de datas. Se você precisa trocar um pneu, não vai necessariamente precisar dos gadgets matadores lançados neste ano. Vai preferir algo confiável, testado ao longo do tempo.

Muitas vezes, o que ajuda mesmo é uma técnica, um conhecimento, nada que se possa exatamente comprar. Uma linha num fórum pode ser mais útil do que todo pano vendido numa loja da Forum.

Descontentamento e ansiedade

Sei que sou um dinossauro. Mas respeito meu leitor. Não vou vender para vocês o que não consumiria. Em especial porque, ao longo do tempo, venho tentando desarmar em mim a mentalidade do descontentamento ansioso. Explico.

Eu me irritava com situações, produtos e pessoas antes mesmo de experimentá-los adequadamente. Era uma máquina de expectativas. Tão automática que nem enxergava o que efetivamente já possuia.

Por exemplo: para que comprar um iPhone se eu tenho um Nokia n95? Tecnicamente, ele é muito melhor (bluetooth decente, câmera de 5.1 megapixels, não precisa brincar de gato e rato com a Apple para mantê-lo destravado). Ok, o software do iPhone é imbatível até o momento. E há o touchscreen. Mas, sinceramente, não preciso de nada disso. Prefiro usar o dinheiro numa boa viagem para outro Estado ou país.

Compre relevância, não modas

Por isso, antes de comprar, é bom se perguntar: será que, ao menos, você tem noção do que já possui?

O planeta e a economia mundial já não estão muito mais nesse ritmo de sucessões de hypes burros e destrutivos. Quer meu dinheiro? Ofereça-me algo realmente relevante e responsável.

Autor: - Categoria(s): comportamento Tags: , ,
16/12/2008 - 08:47

Yahoo testa aplicativo que junta e-mail com redes sociais

Compartilhe: Twitter

Desenvolvedores do Yahoo que pretende juntar todos os seus contatos numa só super caixa postal. A ideia é integrar informações compartilhadas nos diversos serviços oferecidos pela empresa. Por exemplo, você pode responder e-mails e ao mesmo tempo ver novas fotos no Flickr, ser informado das alterações que seus amigos fizeram em redes sociais etc. O vídeo acima mostra melhor como o novo aplicativo funciona.

Autor: - Categoria(s): e-mail, ferramentas, tecnologia Tags: , ,
16/12/2008 - 07:27

Em novo livro, David Allen defende a flexibilidade

Compartilhe: Twitter

David Allen Making All Work

Ser controlado demais significa estar fora de controle. Se as regras que você impõe aos seus filhos são muito restritas, eles se rebelam. Um treinador de boxe ou karate geralmente ensina o lutador a fazer o oponente temer perder o controle. Esse medo causa tensão e reações exageradas. Se suas políticas são muito draconianas, você acaba por sufocar a criatividade, flexibilidade e momentum no seu ambiente. (…)

A chave aqui é manter a capacidade de se desenganchar das formas ou estruturas que guiam seus atos. Ou mudá-las, uma vez que já atingiram sua finalidade. Saber quando mudar de ponto de vista e quando sacrificar um sistema que começou a limitar sua expansão e expressão é um sinal de que você se tornou um mestre.

Trechos do novo livro de , , ainda não lançado no Brasil. O inventor do sistema de produtividade pessoal Get Things Done (conhecido como GTD), publicou alguns capítulos no , que podem ser lidos gratuitamente.

Autor: - Categoria(s): gtd e produtividade, organização pessoal Tags: , , ,
15/12/2008 - 20:31

Ilusões de ótica (e de objetivos)

Compartilhe: Twitter

Arthur Shapiro, professor da Bucknell University, no departamento de psicologia e neurociência, tem uma das profissões mais divertidas que se pode imaginar: enganar o cérebro. Ele cria jogos e animações que produzem ilusões de ótica.

No blog Illusion Sciences, publica parte desse impressionante material. Mesmo sem precisar enfrentar um xamã e tomar Aihuasca, como fez Marcelo Tas, é possível notar como nossa percepção daquilo que chamamos de realidade é frágil. Pequenas alterações nos gráficos fazem com que mudemos completamente de idéia a respeito dos movimentos, cores e formas. É espantoso imaginar que estamos imersos diariamente nessa fragilidade.

Boa parte do que pensamos e fazemos durante o dia tem a ver com fantasmas da percepção, falta de conhecimento amplo das situações e imperfeições de comunicação. Somos como náufragos da entropia, surfistas dos erros.

Um emprego insuportável nada mais é do que seu cérebro produzindo enzimas. Aquilo que lhe dá mais raiva, não passa de um padrão cultural que amanhã pode estar completamente obsoleto. A felicidade que você deseja pode ser uma ilusão que se tornará um pesadelo assim que você conquistá-la. Tudo isso são palavras e conceitos colidindo à nossa frente.

Desde o século 18, somos convencidos de que a felicidade estaria em encontrarmos vocações, aquilo que temos “tesão” em fazer, no qual seríamos “bons”. Mas boa parte da população nunca chega a isso. Ou pior: nunca se convence de ter chegado.

Uma vez que nossa percepção pode ser alterada tão facilmente como nos gráficos de Shapiro ou na química dos xamãs, como podemos levar tão à sério nossos sonhos, ou a ausência de realização deles?

Autor: - Categoria(s): cérebro, comportamento Tags: , , ,
Voltar ao topo