Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro, 2008

30/09/2008 - 17:27

[Geek] Richard Stallman critica softwares on-line

Compartilhe: Twitter

Richard Stallman
Foto do site www.stallman.org

Quantos documentos e dados importantes você armazena em serviços como Yahoo, Hotmail, Gmail, Zoho, entre outros? Você confia 100% nessas empresas? Richard Stallman afirma que não. O guru máximo do movimento do software livre deu uma desancando a chamada computação em nuvem:

“É estupidez. É pior que estupidez: é uma campanha de marketing deslumbrado. Alguém está dizendo que (a computação em nuvem) é inevitável – e toda vez que você ouve alguém dizendo isso, é muito provável que haja uma estratégia de negócios em processo para tornar a ideia verdadeira”.

E completa:

Uma razão para evitar aplicações web é que você perde controle. É tão ruim quanto usar um programa proprietário. Trabalhe no seu próprio computador, com sua própria cópia de um software que respeite a liberdade. Se você usa um programa proprietário num servidor de outra pessoa, você está indefeso. Está nas mãos de quem quer que tenha desenvolvido o software.

O site , sugerindo que já há um movimento para levar o software livre para a área da computação em nuvem. Por exemplo, em vez de usar o Twitter, você pode optar pelo Identi.ca. Entre tantos outros serviços que já indicamos ao longo de um ano de Magaiver. Sem falar que a maior parte dos aplicativos on-line deixa seus códigos disponíveis para serem usados e alterados pelos usuários (as famosas APIs).

Tendo a concordar tanto com Stallman quanto com o Ars Tecnica. Mas é bom lembrar que, mesmo que usemos software livre, poucos de nós temos a capacidade de criar um serviço de hospedagem próprio.

Ou seja: nossos dados ainda estariam nos servidores da Locaweb, do Media Temple, ou qualquer uma dessas “hospedagens proprietárias”. Pior: boa parte dos principais usuários do Gmail, por exemplo, nem sequer sabe do que estamos falando aqui.

Portanto, acho que a luta de Stallman precisa estar não só no nível da criação de aplicativos livres. Para os não-geeks, ainda precisamos de gente traduzindo, explicando e ensinando como usar coisas muito básicas, como as leis e os direitos do consumidor.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
29/09/2008 - 16:56

De olho no jargão: Momento Acme

Compartilhe: Twitter

Momento Acme. Quando você planeja todos os passos de uma ação ou evento, gasta dinheiro e energia deixando tudo supostamente perfeito. Na hora de colocar a coisa toda em prática, ela se volta contra você. O nome refere-se à empresa que fornecia a maior parte dos equipamentos utilizados pelo Coiote, do tradicional desenho Papa Léguas.

Momentos Acme são bons para nos alertar para os riscos:
1. Do excesso de competitividade.
2. Dos usos incorretos e preguiçosos de produtos tecnológicos.
3. Da crença cega em métodos e esquemas.
4. Da falta de flexibilidade.
5. Do sadismo dos roteiristas de desenhos animados. :)

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
29/09/2008 - 15:08

Google lança linha do tempo com seus 10 anos de história

Compartilhe: Twitter

google em 1998

Que o Google fez 10 anos de vida todo mundo já sabe. Mas, afinal, você tem noção do que a empresa realizou nesse tempo? Coisas demais? Só no último mês lançou um e um . E isso é o que sabemos publicamente. Imagine o que deve acontecer nos bastidores. Mas, enfim, agora você pode conferir toda a história do Big G numa e direta, com direito a fotos, acontecimentos caricaturais, os diferentes logotipos etc. Por exemplo, a imagem acima é da página inicial do site em 1998, quando era hospedado nos servidores da Universidade de Stanford.


Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

29/09/2008 - 10:53

Como podem ser os mecanismos de busca do futuro?

Compartilhe: Twitter

Dias atrás, uma colega de trabalho me perguntou como organizar tabelas alfabeticamente no Excel. Trata-se de uma norte-americana, 30 e poucos anos, inteligente, nada preguiçosa e não exatamente leiga em informática. Como, de modo geral, não tenho o hábito de usar produtos da Microsoft, fui ao São Google e fiz a mesmíssima pergunta. Obviamente, obtive a resposta exata, ensinando passo-a-passo o que eu precisava fazer. Li o tutorial em voz alta para a colega. E, quando o procedimento funcionou, a pessoa quase teve um orgasmo de satisfação.

Comecei a me questionar: por que, afinal, ela mesma não fez a busca? Veja: eu não estava irritado porque me pediram uma informação que poderia ser encontrada facilmente on-line. Como designer de interfaces, eu apenas queria entender que lógica leva alguém a consultar primeiro um ser humano em vez de um sistema simples, completamente otimizado para responder esse tipo de perguntas. E hoje, nem sequer podemos dizer que é difícil fazer buscas. Se você tem algo como o Google Desktop instalado, nem mesmo precisa abrir o navegador.

É claro que isso não tem uma resposta simples. Mas vamos pensar em algumas hipóteses:

1. Muitos usuários ainda não sabem fazer buscas corretamente. Apenas digitam termos no local indicado na tela e recebem uma massa genérica de informação. Depois precisam gastar tempo e atenção na triagem do material.

Para melhorar a situação, encontrei o vídeo no começo do texto, que explica um pouco como melhorar sua relação com ferramentas de busca.

2. Quando alguém lhe pede uma informação, não quer exatamente uma resposta. Quer interação social. Por exemplo, muitos precisam, de alguma forma, conversar sobre sua suposta inabilidade de lidar com informática. Querem algum calor humano, não só eficiência, simplicidade e objetividade. Você é o ombro geek disponível.

3. Também precisamos confiar em referências. E você é uma.

Mas o Google também, certo? Em tese, ele é muito mais “informado” do que qualquer um de nós. Mas poucos entendem que referência significa muito mais do que algorítimos, page rank, confiabilidade ou tradição no mercado. É algo bem mais complexo: queremos rostos, nomes, personalidades e histórias de vida.

Ainda que as chamadas ferramentas de “busca social”, como o Mahalo, não tenham se tornado populares, no cotidiano as pessoas ainda procuram triagens e reputações pessoais para traduzir informações técnicas ou corporativas.

Imagino que, no futuro, um bom mecanismo de buscas seja socialmente personalizado. Ou seja: capaz de ler meus feeds, posts em blogs, Twitter, MSN etc. e entender quem eu admiro, confio e respeito.

Pense no antigo , no ou no Stumble Upon. Os algorítimos vão traçando uma espécie de perfil dos meus gostos pessoais e sociais. Não é preciso gastar tempo se adaptando à linguagem das máquinas. Você só diz “sim”, “não”, “gostei”, “não gostei” – o que, do ponto de vista de uma mente comum, é uma interação extremamente divertida.

Assim, não é um absurdo pensar que, em breve, todos teremos algo como nossas próprias ferramentas de busca. E interagindo com os celulares.

4. Texto é uma forma muito lenta de comunicação. Ainda que, mesmo ao consultar humanos, precisemos adaptar a linguagem, falar do jeito que o outro entenda, aparentemente, pessoas são mais rápidas e flexíveis do que programas.

Isso porque são capazes de entender gestos, sinais corporais, não só texto. As buscas do futuro talvez saibam interpretar o movimento dos olhos ou gestos de mouse.

5. Gente é mais eficiente na arte da triagem. Continuando no exemplo acima, minha colega só entendeu as instruções que li em voz alta assim que eu guiei diretamente sua atenção por meio dos menus do Excel. Quer dizer, eu “desmenuzei” os menus. O que fiz foi simplesmente ajudá-la a ignorar informações paralelas e focar-se onde precisava.

Concentração traz um enorme prazer. Em especial quando você enfrenta um problema irritante. Mas, hoje em dia, o texto tem perdido sua capacidade de prender atenção. Por mais que se use bullets, ícones e concisão, massas de letras, em especial quando exibidas em telas, são fatores repugnantes.

Aliás, se você chegou linearmente até o final desse texto, hoje pode ser considerado uma exceção. A maioria deve ter vindo diretamente aqui por causa do ícone e da diferença visual no estilo.

De qualquer forma, estamos sempre fazendo buscas. Dentro e fora do computador. Há tanta informação disponível, que a seleção da melhor fonte ainda depende de coisas muito prosaicas e antigas como a sensação de que há alguém do outro lado ouvindo e se preocupando com o que você deseja.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
28/09/2008 - 14:37

Joel on Software agora em português

Compartilhe: Twitter

“Vamos falar de uma interface social de sucesso. Muitos humanos são menos inibidos digitando do que falando cara-a-cara. Adolescentes são menos tímidos. Usando mensagens de texto de celular, são mais propensos a convidarem outros para encontros. Esse tipo de software está melhorando radicalmente a vida amorosa de milhões de pessoas (ou pelo menos seus calendários sociais). Mesmo que mensagens de texto tenham uma interface horrível, ela se tornou extremamente popular entre as crianças. O lado irônico é que há uma interface para comunicação entre humanos muito melhor no próprio aparelho: essa coisa inteligente chamada ‘telefonema’. Você disca um número e tudo que diz pode ser ouvido por outra pessoa, e vice-versa. É assim simples. Mas você detona seus dedos digitando apenas para dizer ‘droga, você é gostosa’, porque aquela string arranja um encontro para você, e nunca teria coragem para dizer ‘droga, você é gostosa’ usando sua laringe”.

Joel Spolsky, (foto acima) tentando explicar porque não podemos ser simplistas quando pensamos em experiência de usuário ou em coisas como facilidade ou dificuldade para usar equipamentos eletrônicos.

Não sabia dessa. Existe uma com alguns dos textos clássicos de Joel Spolsky, do , um dos blogs mais interessantes e divertidos para quem gosta de ler sobre o que significa conviver diariamente com informação e tecnologia. As traduções não são exatamente boas, mas ajudam quem não lê inglês a ter acesso a textos clássicos como o citado acima, ““. Agora, que tal traduzirem o ?

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/09/2008 - 13:10

Dois editores de textos como você nunca viu

Compartilhe: Twitter

Celtx

Por falar na fundação que mantém o Firefox, se você escreve roteiros para vídeos, screencasts e até cinema, provavelmente vai gostar do . Mais que um editor de texto, o programa se integra a algumas das tecnologias de calendários e comunicações desenvolvidos pela Mozilla. A idéia é escrever, organizar storyboards, referências, contextualizar personagens, locações e, de quebra, já agendar datas com seus colaboradores. .

SubEthaEdit

Se você acha que o Google Docs é um editor de texto colaborativo, precisa conhecer o , para Mac OS X. Ele é uma mistura de editor de texto com instant messenger. Usado em coberturas jornalísticas de eventos ao vivo, permite que você abra uma janela lateral com seus contatos e escreva junto com eles, como se estivessem ao seu lado, corrigindo ou editando o material na hora em que está sendo digitado. Funciona bem tanto para programadores quanto para escritos sem códigos. Para ter uma idéia melhor de como funciona, . Pensando bem, não use se tiver pouca concentração, chefes obsessivos ou crises de ego.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/09/2008 - 13:10

Adeus Outlook? Como usar o Evolution no Windows

Compartilhe: Twitter

evolution

Faz tempo que o Evolution é um dos melhores cliente de e-mails para Linux, em especial para os usuários que precisam de recursos parecidos com os do Outlook, como intergração com agendas, calendários e listas de tarefas. Já existiam versões para Windows circulando na web, mas nenhuma era exatamente fácil de achar. Agora a publicou o software numa página simples e funcional, para que usuários menos geeks possam baixar e instalar o programa facilmente. Basicamente, você encontrará um gerenciador de e-mails parrudo e fácil de configurar. Praticamente igual ao da Microsoft. Mas um pouco menos confuso. E gratuito (). É claro que você sempre pode optar pelo (e-mail) + (calendário) e (que junta os dois), todos da Mozilla.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/09/2008 - 12:01

Ouvindo a si mesmo

Compartilhe: Twitter

Não pude resistir a traduzir esse quadrinho do . Já voltamos à nossa programação normal.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
26/09/2008 - 11:17

iPhone no Brasil

Compartilhe: Twitter

moda iphone

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
25/09/2008 - 12:18

Novo Gnome é ainda mais amigável

Compartilhe: Twitter

ekiga

A nova versão do Gnome (2.24) já está . O ambiente de trabalho para Linux trouxe poucas novidades, mas avançou um bom terreno na corrida para deixá-lo cada vez mais confortável para os usuários acostumados a outros sistemas operacionais. Agora inclui um novo gerenciador nativo para mensagens instantâneas – como o iChat ou o MSN. Também traz uma versão turbinada do comunicador Ekiga, com direito a nova interface, recursos para video-conferência e gerenciamento de contatos (na linha do Skype). Outras atualizações interessantes foram feitas nos gerenciadores de arquivos e na configuração de múltiplos monitores. Para ver tudo o que mudou ou foi melhorado no Gnome, .

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
25/09/2008 - 10:11

David Byrne ensina a relaxar a mente

Compartilhe: Twitter

David Byrne

Coisas que me alienavam no passado, agora percebo que, bem, é só o jeito que a pessoa é ou como as coisas são. Não vou deixar isso me aborrecer tanto. Talvez porque ao envelhecer desenvolvamos um certo tipo de atitude “não estou nem aí”, mas num bom sentido. Não é que eu tenha deixado de me importar com o que faço. Mas não considero cada pequena coisa como se fosse um caso de tudo ou nada. Nem que cada frase minha ou dos outros precise estar perfeitamente correta. Às vezes os resultados terminam por ser melhores do que quando você está envolvido obsessivamente… É um tipo de paranóia que demanda que tudo seja certo.

David Byrne, ex-Talking Heads e artista multimídia, em .

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
24/09/2008 - 17:20

Um game on-line para combater a propriedade intelectual

Compartilhe: Twitter

free game

Jogo engajado é outra coisa. No , você é um simbolo do que tem que distribuir o máximo possível de conhecimento para as pessoas, antes que ele seja completamente sugado pelo emblema do copyright. O game, apelidado de “A teoria jogável”, foi desenvolvido pela empresa , a mesma já que havia criado um , entre outros. Não deve converter muita gente à causa, mas pode ajudar professores em escolas secundárias a introduzir o assunto propriedade intelectual de uma maneira divertida.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
24/09/2008 - 16:51

Empresas de TI testam cérebro dos candidatos a emprego

Compartilhe: Twitter

night of the living dead
Queremos seu cérebro…

Segundo o blog , empresas como Google, Microsoft, Amazon, entre outras, começaram a aplicar testes neurológicos em entrevistas de emprego. Calma, ainda não penduram eletrodos nas pessoas. Elas são convidadas a resolver quebra-cabeças ou a tentar adivinhar rapidamente:

1. Quantas vezes um elefante é mais pesado do que um rato?
2. Quantos bombeiros há no Central Park, Nova Iorque?
3. Quantos sapatos você teve ao longo da vida?
4. Quantas bolas de golf cabem num ônibus escolar?

Para tudo isso há respostas concretas ou estimadas (). Mas não se trata de um vestibular baseado no Guia dos Curiosos. A idéia é “medir” a capacidade lógica, a rapidez de raciocínio, a flexibilidade cognitiva e a capacidade de solucionar problemas dos candidatos a vagas.

Deveriam medir também a capacidade de resistência física, já que muitos dos trabalhadores da área de TI fazem jornadas de trabalho bastante longas e estressantes. Não é difícil encontrar funcionários que são obrigados a manter um celular sempre por perto para resolver problemas que surjam fora do expediente.

Se você quer ter uma noção bastante realista do que pode vir a ser uma carreira numa startup no Vale do Silício, assista ao documentário e aos filmes e Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

24/09/2008 - 09:04

Google oferece U$10 mi para quem ajudar mais pessoas

Compartilhe: Twitter

O Google lançou mais um dos seus projetos malucos, mas aparentemente bem intencionados. Chama-se . A idéia é simples: você vai até o e posta sua idéia de como tornar o mundo melhor.

Tem que ser algo concreto, passível de ser posto em prática. Os melhores projetos serão escolhidos em 27 de janeiro de 2009 e o vencedor receberá U$ 10 milhões para ser implementado. Isso mesmo: 10 milhões de dólares.

Mas quais serão os critérios para a escolha? Ora, você sabe como é o Google, cheio de estatísticas, cálculos e algorítimos. O melhor projeto será aquele que conseguir demonstrar que pode ajudar ao maior número de pessoas. O vídeo acima dá uma idéia do espírito da campanha. Por isso o nome 100 elevado a 100.

Quer tentar a sorte? . Mas fique esperto: o prazo de participação será encerrado em 20 de Outubro.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
22/09/2008 - 15:46

Turbine seu calendário

Compartilhe: Twitter

sunbird
A visualização múltipla do Sunbird, da Mozilla.

Quando se fala em Mozilla, você pensa no quê? Firefox? Thunderbird? Já há alguns anos a Fundação nascida das cinzas da Netscape vem criando outros aplicativos menos conhecidos, porém igualmente interessantes. Um deles é o Sunbird, um gerenciador de calendários para desktop. Mais ou menos no estilo do iCal (Mac OS X), só que funciona em todos os sistemas operacionais. A versão 0.8 do aplicativo acabou de ser lançado e pode ser baixado gratuitamente . Os sistemas de tarefas, notificações e listas continuam bem funcionais, oferecendo todos os recursos disponíveis no mercado (como visualizações por dia, semana ou mês, integração com cliente de e-mail etc). Mas você sabe que a grande vantagem dos produtos da Mozilla é que eles suportam Complementos (Plugins e Add-Ons). Aqui a coisa começa ficar interessante. Por exemplo, para quem sofre de internet lenta, a extensão pode ser uma boa alternativa para baixar e sincronizar calendários on-line, como o do Google. Precisa sempre estar de olho em fuso horários? pode ajudá-lo. Como no Firefox e Thunderbird, também há temas, dicionários e suportes para várias línguas. Confira mais extensões no .

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
22/09/2008 - 10:56

As regras do cérebro

Compartilhe: Twitter


Você acorda de péssimo humor todo dia e não sabe como enfrentar aquele colega de trabalho que parece mais um Teletubbie? John Medina pode ajudá-lo.

Mesmo após séculos de pesquisas neurológicas, ainda sabemos pouco sobre como o cérebro funciona. Ainda assim, não faltam livros sobre como ou aplicá-lo melhor . Nos EUA, claro. No Brasil, ainda há pouco material publicado. Mas pelo menos o de John Medina deveria ser traduzido e lançado por aqui.

O biólogo molecular é professor da Universidade de Washington e tem um livro chamado . Nele, baseia-se em algumas pesquisas neurológicas para criar que melhorariam o funcionamento do cérebro. Medina sugere que se você seguir os ciclos naturais do seu corpo será mais produtivo (vide o exemplo do vídeo acima, sobre as pessoas que funcionam melhor pela manhã e os que rendem mais à noite).

Já ouvimos essa história milhares de vezes. São teses interessantes. Mas o patrão ainda vai querer que batamos o ponto no horário combinado, seguindo as regras do cérebro dele. Ou as regras do mercado. De uma certa forma, os conselhos podem se tornar praticamente inúteis, um passa-tempo com auto-ajuda.

Mas não sejamos tão radicais. Em última instância, Medina pelo menos pode ajudá-lo a tentar convencer melhor seu chefe. E de um jeito mais divertido.

Em seu trabalho, o professor faz um uso muito inteligente de textos, internet, vídeo e áudio. Imagine se o famigerado fosse engraçado e tivesse podcasts, newsletter, blog etc. e confira os vídeos (em inglês). Pode ajudar pouco, mas pelo menos rende umas boas risadas.


Porque é impossível fazer muitas coisas ao mesmo tempo.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
18/09/2008 - 12:12

Tédio é uma forma de diversão

Compartilhe: Twitter

tedio

Há praticamente um ano, escrevi um post chamado . De lá para cá, é claro que tive oportunidade de me entediar inúmeras outras vezes. E, assim, desenvolver outras visões sobre o assunto. Uma delas está baseada no livro The Path is the Goal, de , infelizmente ainda não publicado no Brasil. O texto afirma que o tédio é uma forma de distração. Vou usar essa idéia do meu jeito, mas vale conferir o ensinamento original no livro.

Tédio é uma sensação difusa de que tudo se repete, o que provoca falta de entusiasmo. Está sempre vinculado a tarefas cotidianas, que aparentemente não mudam.

Não é algo que necessariamente nos irrita ou impede de agir. Podemos estar entediados com o trabalho e ainda assim aparecer diariamente no escritório. Mas sentimos que o sangue não corre nas veias, que não estamos interessados nas nossas atividades.

Assim, o tédio nunca surge como um Godzila prestes a nos devorar. Nem mesmo como um sintoma de que a vida é horrível. No começo, ele é só mais uma das distrações disponíveis. Poderia ser a TV ou uma conversa alheia no elevador.

Mas não é. Desta vez é uma sensação física / psíquica. E que, como todas, pede um complemento – um roteiro, um significado. Ou seja, que você lhe dê um nome. E defina o que vai fazer com aquilo: “gosto, não gosto, faz parte do meu grupo social, fujo ou enfrento”.

Quando o tédio surge, rapidamente fugimos dele e criamos uma história qualquer. “Odeio meu emprego, detesto acordar cedo, eu deveria…, eu poderia…” etc. E assim nasce a rejeição e a irritação. É um processo muito rápido. Tanto que o tédio acaba levando toda a culpa que não é dele.

Se prestarmos atenção, perceberemos que o tédio está estranhamente vinculado a cores, texturas, cheiros e comportamentos. Por exemplo, o odor do carpete da sala pode detonar um sentimento de que estamos estagnados na vida. Mas, afinal, que diabo uma coisa tem a ver com a outra? Isso faz algum sentido? Tem alguma lógica? Não. É muito engraçado. E ridículo até.

Por isso, examinar o tédio de perto pode ser muito divertido. Você vai descobrir que implica com as coisas mais idiotas. Só o fato de percebê-lo já cria um certo humor e tira o tédio do campo da distração-com-sofrimento para o da distração-com-sarcasmo ou ironia.

É por isso que seriados como fizeram tanto sucesso: foram tão eficientes em investigar o tédio, tão obsessivos nessa arte, que descobriram que ele sempre leva a situações engraçadas. Ou seja: se quebrarmos as moléculas do tédio, vamos produzir humor.

Geralmente, fazemos um esforço muito grande – e desajeitado – para permanecermos irritados. Gastamos energia procurando motivos para reforçar o sentimento de que somos vítimas de “alguma coisa externa” chamada tédio.

Em vez de nos concentrarmos no sentimento em si, desviamos a atenção e criamos histórias. São elas que dão força ao tédio. As teses, conspirações, planos de fuga e teorias reforçam a auto-vitimização. Em sua nudez, o tédio é apenas uma espécie de reflexo da criatividade das nossas mentes e das suas atividades infinitas.

Assim, a diversão de hoje é o tédio de amanhã. Podemos nos envolver cegamente com isso ou, como Seinfeld, enxergar o ridículo de todo esse processo*.

* Isso antes de ele , claro. :-)

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
17/09/2008 - 15:29

Como melhorar o conteúdo de programas em áudio para web

Compartilhe: Twitter

BolinhaJá que o Google está entrando seriamente na busca em arquivos de áudio, não deve demorar para aparecerem dicas de SEO (search engine optimization) para vídeos e podcasts. Se você já quer se informar sobre o assunto, para oferecer consultoria ou coisas assim, pode começar estudando Arquitetura da Informação e usabilidade direcionadas para áudio. O pessoal da agência Boxes and Arrows já produziu . A matéria completa está . Mas vale destacar algumas dicas de certa forma óbvias, mas úteis, para planejar “os pograma que o povo gosta” – como diria o falecido (na imagem, junto com seus jurados).

Em tese, programas de jornalismo on-line em áudio precisariam:

Ser curtos – Usar frases diretas e objetivas. Parágrafos longos são ainda mais difíceis de compreender em áudio do que em texto escrito.

Repetitivos – Em áudio, vale repetir palavras, retomar frases e voltar o foco ao assunto principal de tempos em tempos.

Usar imagens mentais – Você pode criar metáforas, usar sons ambientes e música para ajudar os ouvintes a se lembrarem dos tópicos.

Dicas à David Lynch:

1. Determinados sons podem servir até de inspiração para um tema. Não tem assunto? Ouça música e deixe o cérebro construir a inspiração.

2. Muitas vezes, sons são mais eficientes que palavras para comunicar um estado emocional. Assim, dependendo do tema do seu programa, vale prestar atenção redobrada na trilha e até mesmo cortar texto que ela possa substituir.

Tirar vantagem das possibilidades do áudio – Usar diferentes tons de voz, interpretações, sotaques etc. Não apenas ler textos em frente a um microfone.

Ser regulares – As pessoas gostam de encontrar edições frequentes dos programas, nos mesmos dias e horários. Esse é o modelo a que fomos acostumados pela mídia off-line. Particularmente, prefiro que as pessoas fiquem quietas quando não têm o que dizer. Mas sou minoria. Se você quer cliques, precisa produzir muito conteúdo. Mesmo que ele não seja sempre de primeira qualidade. A idéia é criar uma base de conhecimento consistente, que possa ser sempre reutilizada e destacada oportunamente, para quem tiver algum interesse específico. (em inglês).

Mais dicas, vá até o site da .

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
17/09/2008 - 14:37

Google agora indexa áudio

Compartilhe: Twitter

gaudi

Que o Google indexa de formulários on-line a jornais antigos você já sabia. Mas agora o buscador consegue ler, classificar e exibir resultados extraídos de áudio também. E isso não significa apenas podcasts. Também inclui vídeo. Ou seja: você pode encontrar citações e falas específicas em filmes, música, discursos de políticos, vídeos clássicos recuperados de arquivos semi-perdidos e até de gravações queima-filme produzidas quando você estava bêbado. Quer ver como funciona? Conheça o . Não o Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

17/09/2008 - 11:04

Quantas vezes por dia você para tudo para navegar na web?

Compartilhe: Twitter

Imagem do site de tiras xkcd. Note o papel. A cada linha escrita há o endereço de um site. E a legenda diz algo como: “até que usasse uma máquina de escrever, nunca percebi o quão ruim era o meu hábito de interromper minhas tarefas a cada segundo para acessar algum site numa tabela paralela do Firefox”. Identificou-se?

Aliás, para quem lê em inglês, vale lembrar: o site de Randall Munroe já se tornou há algum tempo um dos mais interessantes e divertidos retratos da vida cotidiana de quem trabalha com internet e informação.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo